SAPATILHA MÁGICA

terça-feira, 18 de março de 2008

JUSTIFICATIVA

x

Ao clicar com o botão direito é advertido.



Clique com o botão direito




x








este blog ainda está em construção


















O MEU OBJETIVO COM ESTE BLOG É DE PODER PROPORCIONAR PARA OS PAIS " CORUJAS " DE MINHAS ALUNAS MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ELAS NO BALLET COM FOTOS DE ALGUNS MOMENTOS DAS NOSSAS AULAS E ALGUMAS INFORMAÇÕES .
PARA ELAS ,TERÁ SEMPRE UMA DIVERSÃO COM O OBJETIVO DE QUE
CADA VEZ MAIS ELAS TENHAM PRAZER EM DANÇAR.
ESPERO QUE TODOS GOSTEM POIS SERÁ FEITO COM MUITO CARINHO.
UM ABRAÇO A TODOS
PROFESSORA CAROL


CONHECENDO O MUNDO DA DANÇA


Ana BotafogoPrimeira bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Ana nasceu e foi criada no Rio de Janeiro, onde desde pequena começou a aprender ballet na Academia de Ballet Leda Iuqui. Iniciou sua carreira profissional na França, com o Ballet de Marseille de Roland Petit, excursionando pela França, Itália e Suíça, tendo participado dos Festivais de Lausanne e Veneza, e do Espetáculo de Gala em homenagem à Legião de Honra da França, no Palácio de Versailles. Freqüentou, na Europa; a academia Goubbé, na Sala Pleyel em Paris, França, a Academia Internacional da Dança Rosella Hightower, em Cannes, França, e o Dance Center (Covent Garden) em Londres, Inglaterra. Ao retornar ao Brasil, dançou como Bailarina Principal no Teatro Guaíra, em Curitiba, Paraná, e mais tarde como Bailarina Principal na Associação de Ballet do Rio de Janeiro, dançando os mais variados papéis. Em 1980 participou do 3° Concurso Mundial de Dança, no Japão. Em 1981 ingressou, por concurso, como Bailarina Principal do teatro Municipal do Rio de Janeiro. A coreógrafa Dala Achcar teve grande influência no desenvolvimento artístico de Ana Botafogo, para quem criou diversas coreografias, dirigindo-a também em muitos dos grandes ballets de sua carreira. Além de suas apresentações em quase todos os Estados do Brasil, Ana tem se dedicado à divulgação da Dança e de seu ensino, através de palestras e participações especiais em congressos e festivais de Dança no Brasil, além de entrevistas em jornais, revistas e programas de televisão.Em todas as suas apresentações, no Brasil e no Exterior, Ana Botafogo tem merecido, tanto do público quanto da imprensa especializada, os maiores elogios. Em 1989, foi a primeira artista brasileira a receber a Bolsa de Estudos concedida pela Comissão Fulbright, para intercâmbio cultural entre Brasil e os Estados Unidos, na área de dança. Ana é uma admiradora de Julio Bocca (argentino), Nureyev (russo), Márcia Haydée (brasileira), Maya Plitskaya (russa), Natalia Marakova (russa), Cecília Kerche (brasileira) e Beth Risoléu (brasileira). 'Muito trabalho e perseverança', recomenda Ana para aqueles que iniciam a carreira.NEm seu repertório, destacam-se produções completas, como:Don QuixoteO Lago dos CisnesCoppéliaO Quebra-NozesRomeu e JulietaGiselleLa SylphideLa Fille Mal GardéeFloresta AmazônicaA Bela AdormecidaZorba, o GregoAna Botafogo é considerada, no momento, a mais importante bailarina brasileira, por sua técnica, versatilidade e arte.

CURIOSIDADES




A história do Ballet


O Ballet, tal como conhecemos nos dias de hoje, teve seu berço na Itália, a pouco mais de 500 anos. O primeiro espetáculo propriamente dito foi realizado por ocasião das bodas do Duque de Milão, em 1489.
Nesses espetáculos, os bailarinos eram homens, pois as mulheres não tinham permissão de bailar em público. As vestimentas eram complicadas e pesadas, limitando a extensão e a variedade dos passos.
.
Vivemos uma época em que o ballet atingiu um nível difícil de ser superado. As coreografias são completas: música, cenário e movimentos se unem para transmitir a ação dramática, em vez de reproduzir em cena os exercícios de sala de aula.






CURIOSIDADES



Antes de qualquer coisa o que significa repertório? Repertório, do latim repertoriu, ‘inventário’, segundo o Aurélio, quer dizer, entre outras definições: conjunto das obras interpretadas por uma companhia teatral, por um ator, por uma orquestra, por um solista, etc.Em relação à Arte, mais do que sempre, repertório está ligado a perenidade, universalidade e atemporalidade. De uma forma ou de outra, mais próxima ou não da idéia que temos ‘a priori’ do que seja repertório, o certo é que, em relação à dança, a palavra está sempre associada a uma coleção de peças que reunidas a partir de determinados critérios formam o acervo de uma companhia. (Eliana Caminada, no cabeçalho de sua palestra no Condança).
Curiosidades a respeito dos ballets de repertório :
A Bela Adormecida
Marcou o apogeu da Rússia dos Czares, além de ser o grande sucesso de Tchaikovsky em vida São características especiais da obra as variações muito ricas em técnica, especialmente a da Fada Lilás, que Petipa construiu para sua filha, Marie Mariusovna Petipa. Outra curiosidade é que a fada do mal, Carabosse, costumava ser apresentada por um homem, provavelmente para ficar mais grosseira e pesada.
La Fille Mal Gardée
A obra estreou apenas 13 dias antes da queda da bastilha, a título de curiosidade. E, assim como os ideais de "liberdade, igualdade e fraternidade", prosperou até hoje. Além de ser revolucionário no ponto de vista histórico, La Fille Mal Gardeé inovou, lançando um enredo com personagens reais e não ninfas, fadas e deuses, como nos ballets antigos. É o mais antigo dos ballets de repertório conhecidos até hoje.
Dom Quixote
As primeiras versões encenadas não obtiveram sucesso suficiente para se manterem até hoje, mas a versão estreada em 1869, com o libreto um pouco mais livre da obra, teve um sucesso arrebatador, creditado ao seu virtuosismo técnico.Essa obra marca a ascensão da Rússia a centro mundial da dança. Foi dançado predominantemente na Rússia até a migração de grandes nomes soviéticos para o Ocidente. Só depois da chegada de Nureyev, Barishnikov e Balanchine no mundo ocidental é que o ballet passou a ser dançado com mais freqüência por nossas companhias.
O Quebra-Nozes
O Quebra-Nozes foi um ballet que veio marcar a afirmação da Rússia como o grande centro mundial da dança, ao invés da França. A começar pelo seu coreógrafo, Lev Ivanov, que era russo e discípulo de Marius Petipa. Quando este perdeu seu interesse pela obra, por seu caráter infantil, Lev Ivanov assumiu a coreografia da obra. Foi a segunda composição de Tchaikovsky para ballet, e considerada um dos mais perfeitos casamentos entre coreografia e música, pois nenhum dos dois se sobressai em relação ao outro.
O Lago dos Cisnes
Antes de 1895, esse ballet já havia sido estreado com outra coreografia, de Julius Reisinger, em 1877. Foi um fracasso, pois a coreografia deixava a desejar, assim como a atuação da primeira bailarina, Pelágia Karpakova. Por ser protegida, Karpakova podia fazer o que bem quisesse, inclusive modificar as partituras e inserir solos seus no ballet já montado. O resultado de tantas interferências foi um ballet sem seqüência ou sequer identidade, e conseqüentemente fracassado.A versão de 1895 possui coreografia de Lev Ivanov e Marius Petipa, este último tendo migrado para a Rússia fugindo do Mercantilismo e da desvalorização da arte na Europa Ocidental. Chegando na Rússia, Lev Ivanov se tornou seu assistente, mais tarde coreografando diversos ballets que levam sua assinatura.É marca do Lago dos Cisnes a trama totalmente irreal, construída na época do Romantismo/ Realismo. A coreografia do 1º e do 3º ato, de Petipa, é extremamente vigorosa e técnica, enquanto os 2º e 4º atos, de Ivanov, são extremamente poéticos, e por causa dessa poesia e do casamento perfeito entre coreografia e música considera-se que o aprendiz superou o mestre.
Romeu e Julieta
Romeu e Julieta não é um ballet, mas sim vários,pois o romance de Shakespeare inspirou mais de cinqüenta produções. As primeiras foram encenadas desde 1785, mas a versão mais conhecida atualmente foi produzida em 1940, quase dois séculos depois. Também muitas músicas foram compostas para representar essa tragédia, e entre elas, versões de compositores famosos como Tchaikovsky e Berlioz também são conhecidas.A versão estreada em 1940, com a música de Prokofiev, foi a que mais se popularizou na dança, tendo características singulares. À título de curiosidade, o roteiro para essa versão pretendia mudar a obra de Shakespeare, de modo que os amantes não morressem no final, mas a mudança não foi bem aceita, sendo abandonada. Também é marcante nessa obra a grande atenção com personagens secundários, como Mercúcio, que tem um tema próprio de quase trinta minutos, tornando-se um papel disputado pelos melhores bailarinos do mundo.
La Sylphide
A maior novidade foi a construção do ballet usando sapatilhas de ponta. Temos registros de danças nas pontas dos pés anteriores à estréia de La Sylphide, mas esse foi a primeira peça cuja coreografia original previa o uso de sapatilhas de ponta do início ao final. Essa inovação gerou inúmeras mudanças na dança clássica, inclusive a recolocação do homem nas coreografias, passando a exercer mais o papel de partner do que de bailarino. Os pas-de-deux se tornaram mais sensuais, pois o homem, para dar mais suporte à bailarina, precisa tocá-la com mais freqüência e escorá-la com o próprio corpo.Dois anos depois da estréia de La Sylphide na França, o ballet foi remontado na Dinamarca, com nova música e nova coreografia, de Herman Severin Lvenskjold e Auguste Bournonville, respectivamente. Essa é a versão conhecida atualmente, pois da versão de Taglioni só resta o libreto, que foi a única ferramenta utilizada na segunda versão. Foi o libreto que, inclusive, inspirou Bournonville a construir o ballet. Em 1971, o professor Pierre Lacote, após anos de pesquisas baseadas nas descrições e anotações da época, recompôs o ballet de Taglioni. Essa versão é a mais conhecida e dançada por companhias brasileiras.
Giselle
Giselle foi um ballet extremamente marcante, por ser um dos mais puros exemplos do Romantismo do século XIX na dança. As características do romantismo mais presentes na obra são a trama, desenvolvida em torno de uma personagem feminina e a aparição de seres sobrenaturais (Willis), que vêm substituir os Deuses do Olimpo (Gregos e Romanos), que eram mais utilizados anteriormente.
Raymonda
"Raymonda" surgiu a partir da idéia de misturar a cultura medieval com o exotismo oriental, após sucessos como 'O Lago dos Cisnes' e “La Bayadére’. Assim pensaram em ambientar o bailado durante as Cruzadas, onde uma mulher fosse amada por dois homens e o choque de culturas pudesse ser explorada ao máximo. A partir destes itens o libreto de ‘Raymonda’ foi escrito por Lydia Pashkova, que não foi muito bem aceito por Vsevolojski, diretor do Teatro Imperial, que o reescreveu junto com Marius Petipa”.
Pas de Quatre
Entre os muitos contratos importantes feito para a temporada lírica de 1845 pelo Diretor do Teatro de Sua Majestade, Benjamin Lumley, contam-se as negociações para a apresentação das quatro maiores bailarinas da época: Marie Taglioni , Carlotta Grisi , Fanny Cerrito e Lucile Grahn . Pode-se fazer uma idéia das dificuldades surgidas para se reunir as quatro divas do ballet do século XIX, o trabalho de aparar as arestas e de procurar não ferir as suscetibilidades. Cada oscilação de um pé, cada passo tinha que ser extremamente pesado para não resultar em preponderância de uma sobre a outra. Um dos maiores problemas era o que cada uma iria executar, sendo que todas sabiam que o último solo seria o principal. O então diretor do Teatro Benjamin Lunley, sugeriu que elas dançariam de acordo com a idade, o primeiro solo, seria executado pela mais nova e o último, pela mais velha, subitamente todas optaram pelo primeiro solo. Ficou decidido que Lucile Grahn faria o primeiro, Carlotta Grisi o segundo, Fanny Cerrito em terceiro e finalmente Marie Taglioni com o último. Finalmente tudo foi ajustado, e o triunfo deste PAS único foi enorme. Um crítico disse que "todo e qualquer outro sentimento transmudou-se em admiração quando as quatro bailarinas, principiaram a série de pitorescas figuras com que se inicia o espetáculo". Foram apenas quatro apresentações, sendo que a terceira contou com a presença da Rainha Vitória, do Príncipe Albert e de altas autoridades.

INFORMATIVO DA ESCOLA

Clique para ver mais desenhos


QUERIDOS PAIS

JÁ COMEÇAMOS A POSTAR FOTOS DA NOSSA AULA DO DIA DAS MÃES NO CANTINHO MÁGICO, AS PRIMEIRAS FOTOS DA TURMINHA DE TERÇA E QUINTA FORAM CEDIDAS POR UMA MAMÃE ( OBRIGADA), SE OUTRAS MÃES TIVEREM FOTOS E PUDEREM ME DAR EM CD AGRADEÇO.
BEIJOS, TIA CAROL

NOTÍCIAS QUENTINHAS




ANIVERSARIANTES DE
Wizard Animation
11/05- Arianna

2o/05- Maria Vitória

21/05- Mariana

24/05- Júlia

QUE ESTA DATA SEJA REPLETA DE MUITA SAÚDE E ALEGRIA. FELIZ ANIVERSÁRIO! TIA CAROL






DÊ COMIDA AOS PEIXINHOS




VÍDEOS ENGRAÇADOS





video

video

Era uma vez uma menina chamada Karina.


Desde pequena, ela só tinha uma paixão: dançar e ser uma bailarina do famoso Ballet Bolshoi. Tudo o mais era secundário.


Seus pais até desistiram de exigir empenho em qualquer outra atividade:o coração de Karina tinha lugar somente para o balé.


Um dia, Karina teve sua grande chance: conseguiu um encontro com o diretor do Bolshoi, que estava selecionando aspirantes para a companhia. Nesse dia, Karina dançou como se fosse seu último dia na Terra. Colocou tudo o que sentia e que aprendera em cada movimento, como se uma vida inteira pudesse ser contada em um único passo.


Ao final, aproximou-se do renomado diretor e perguntou-lhe: "Então, o senhor acha que posso me tornar uma grande bailarina?" E ela ouviu um NÃO!


Na longa viagem de volta à sua aldeia, Karina, em meio às lágrimas, imaginou que nunca mais aquele "NÃO" deixaria de soar em sua mente. Meses se passaram até que pudesse novamente calçar uma sapatilha...


Dez anos mais tarde, Karina, já uma estimada professora de balé, criou coragem de ir à performance anual do Bolshoi em sua região. Sentou-se bem à frente e reconheceu que o diretor do balé ainda era o mesmo! Após o concerto, ela tomou coragem e foi falar com ele. Contou o quanto ela queria ter sido bailarina do Bolshoi e quanto tinha sido difícil ter ouvido dele aquele NÃO.


"Mas, minha filha...
- disse o diretor .
- eu digo NÃO a todas as aspirantes.


Com o coração ainda aos saltos, Karina não pôde conter a revolta e a surpresa dizendo:


"Como o senhor poderia cometer uma injustiça dessas? Eu poderia ter sido uma grande bailarina se não fosse o descaso com que o senhor me avaliou!"


Havia solidariedade e compreensão na voz do diretor, mas ele não hesitou ao responder:


"Perdoe-me, minha filha, mas você nunca poderia ter sido grande o suficiente, se foi capaz de abandonar o seu sonho pela opinião de outra pessoa."


Moral da história


O mais importante do que tudo é acreditarmos efetivamente na própria capacidade porque o que não faltam na vida são os obstáculos! E assim, muitos desistem da luta, por medo, por preguiça ou porque acreditaram nas previsões negativas dos outros. Faça sua escolha!!






Texto de João Beauclair (educador)



Usar longos corredores para treinar gran jetés...ter mais sapatilhas do que sapatos normais...em vez de dedos, ter bolhas nos pés...subir na meia ponta quando conversa com seus amigos...sentar na abertura confortavelmente...dançar é viver, o resto é apenas um passatempo. ..piruetas e fouettés serem as palavras principais de seu vocabulário. ...conhecer mais palavras em francês do que em inglês. ...só conseguir contar até oito. ...assistir tevê é a hora de se alongar....prometer nunca parar de dançar ...atravessar um corredor dançando, ao invés de andando....ensaiar enquanto todos estão jantando ...fazer pliés e tendus enquanto está na fila. ...fazer grand jetés nos estacionamentos e quando desce a rua. ...usar breu em vez de sabão....antes de qualquer coisa você conta 5 ,6, 7 e 8...



10 Dicas para se tornar uma grande Bailarina


1- Se respeite acima de tudo, e valorize seu trabalho.
Confiança é a chave do sucesso!
2- Estude bastante e mantenha-se sempre aberta às novas descobertas,
aprendendo cada vez mais.
3- Cuide do seu corpo e mantenha-se sempre bonita!
O corpo é o templo do seu espírito.
4- Irradie alegria!
5- Não considere as outras bailarinas concorrentes ou rivais;
mas sim como amigas que podem trocar experiências
aprendendo umas com as outras.
6- Escolha músicas e roupas adequadas. Elas valorizam sua dança.
7- Seja humilde; assumindo seus erros e conhecendo seus pontos fracos;
tentando sempre melhorá-los.
8- Seja exclusiva! Procure sempre inovar; e não tente copiar ninguém.
9- Descubra que sua verdadeira função na dança é transmitir alegria
para outras pessoas através da sua arte. Faça valer esse dom!
10- Ame a Dança, e acima de tudo SE AME!!!